Livros que já li

"Lexy, o menino vegano" de Barbara Magalhães

Este livro é uma delícia! Porque fala sobre o veganismo de uma forma muito leve, simples, natural, meiga. É  muito fofo.     O livro tem uma letra (de A a Z) em cada página e cada letra fala de um dos aspetos do veganismo.      Foi escrito a pensar nas...
+

"Pense e Fique Rico" de Napoleon Hill

Este foi um dos livros que me ajudou muito a mudar a minha maneira de olhar para o dinheiro e para o trabalho e para mim mesma. Nota-se pela capa que foi muito usado. :) Antes de o comprar passei alguns minutos, ou até horas, a lê-lo na livraria. Anotava algumas dicas do livro, em qualquer papel...
+

Clica na imagem se quiseres ler a entrevista feita, ao escritor Pedro Chagas Freitas, pela blogger Joana Veríssimo  do Blog Upside Down.  

Gosto de ler um pouco sobre tudo. Gosto de aprender

E com a leitura aprendo bastante.

Com a leitura ganho conhecimento.

Conhecimento é poder, e eu quero ter o poder sobre mim mesma. O conhecimento torna-me independente.

Com conhecimento as possibilidades de escolha aumentam.  

Compreendes o que quero dizer? 

 Bem... Gosto de ler livros que me façam ver as coisas de outra forma.

Que me façam pensar sobre algo. 

A leitura de alguns livros mudou a minha vida. Mas mudou mesmo!

Na verdade mudou a minha maneira de pensar e a nossa maneira de viver depende da perspetiva que temos do mundo, depende de como pensamos, de como acreditamos nas coisas.

Livros como " O mundo de Sofia" de Jostein Gaarder ou "O rastro do Jaguar" de Murilo Camelo ou "O código da Vinci" de Dan Brown ou "Vendidas" de Zana Muhsen ou " Chocolate à chuva" de Alice Vieira ou "Prometo falhar" de Pedro Chagas Freitas ou até " Mude a sua vida em sete dias" de Paul McKENNA ajudaram-me a mudar a minha vida. Deram-me sentidos sobre a vida muito diferentes do que conhecia até lê-los.

Já conversei com pessoas que também já leram estes livros e que me disseram que não lhes fez diferença alguma. Outras pessoas que se riram dos livros que li ou até que fizeram piadas por saberem que tais livros me fizeram mudar algumas opiniões. 

Isso já te aconteceu?

Bem, cada um é como é. Certamente essas pessoas não precisaram de ler livros como eu li para pensar da forma que pensam. A experiência de vida delas bastou-lhes. Pode ser o teu caso.

Sim, há pessoas que tiveram uma educação bela, rodeadas de grandes pessoas, daquelas que sabem o que dizer na hora exata, que compreendem que o certo e errado são termos relativos, que sabem viver a vida como um todo, entre muitas outras coisas deste gênero que nos fazem viver melhor. Ou seja, coisas que eu aprendi na maioria com os livros.

Por isso depende muito de pessoa para pessoa o facto de o livro lhe "tocar" ou não. A altura (fase da vida) em que a pessoa está a ler influencia muito no quão o livro lhe vai dizer algo. Pelo menos isso aconteceu e continua a acontecer comigo.

Quando andavas na escola primária que livros lias?

Se te dessem o livro "A insustentável leveza do ser" de Milan Kundera quando eras criança tu ias conseguir perceber alguma coisa do que lias? A começar pelo título. 

Sim, tu podias saber ler todas as palavras, mas saberias o que elas queriam dizer?

Digo-te que já o li e na altura andava no liceu. Lembro-me de o ter lido, mas o que o livro queria mostrar já não sei se te sei dizer.

Percebes o que quero dizer? Acho que há livros que é preciso maturidade e ter um conhecimento mínimo sobre o tema em si  para o podermos entender. Mas outros livros precisas de ter coragem para lê-los porque já sabes do que eles vão falar e tens a noção de que te podem deixar um pouco em baixo ou com a cabeça a andar à roda só de pensar naquilo que leste. Falo por mim. 

Há livros que falam de temas que sei que me vão deixar pensativa ou até um pouco frustrada ou nostálgica e que eu preciso de escolher a altura "certa" para lê-los, para que influencie na minha vida da melhor forma em vez de me deixar perplexa e parada, sem reação, meia mole, sem vontade de fazer mais nada. Estes livros prefiro lê-los numa altura em que não tenha muitos compromissos para poder reagir da maneira que me apetecer e não da maneira que der para me aguentar.

Compreendes? Isso também te acontece? Também pensas muito sobre o que lês?

Mas é claro que existem outros livros que me parece bem lê-los em qualquer altura, por exemplo "O homem que mordeu o cão" do Nuno Markl. Faz-me dar gargalhadas. Já leste? 

Ou os livros da Disney ou daqueles romances que acabam sempre com final feliz. Mas também depende do romance. Já li romances com finais felizes que me deixaram meia sem jeito, assim transtornada, por causa do seu desenvolvimento. 

Mas eu nem sempre leio um livro para me fazer pensar ou para me fazer rir.

É certo que leio sempre com a intenção de alargar os meus horizontes, de ficar a conhecer coisas novas, mas há livros que até posso nem estar interessada no assunto ou no autor, mas leio só por estarem a ser muito falados e por me deixarem a morrer de curiosidade sobre o que será que lá está escrito para causarem tanto aparato. Para ficar a perceber o porque de tantas pessoas gostarem. 

Porém também leio outros livros pela curiosidade sobre o autor. Porque é que aquele autor se tornou tão conhecido? Porque é que ele faz com que pessoas de gerações diferentes leiam os seus livros ao mesmo tempo? Ou porque é que as pessoas passam os livros daquele autor de gerações mais velhas para as mais novas? Como ele conseguiu isso? Como assim o livro é atual se o autor o escreveu à dezenas de anos (ou mais) atrás? Estas coisas deixam-me curiosa. Então não resisto a ler um livro pelo menos desse autor. 

Outros fazem-me ler pela curiosidade que tenho sobre algo que sei sobre o autor mesmo. Por exemplo o caso do "Eragon" do Christopher Paolini. Eu li esse livro porque li que ele, o autor, o escreveu com 15anos, ou algo assim. Tão novo a escrever? E ainda por cima o livro tinha continuação? Como assim? Será que ele realmente é bom? O livro parece que é recomendado para os adolescentes. Parece ter algum grau de qualidade. Será? 

Só podia responder a essas perguntas lendo. E digo-te já que fiquei impressionada. Já com essa idade a escrever assim. 

É verdade que, comparada com críticos de literatura, eu não sou grande coisa a analisar livros. mas achei que ele esteve bem no que diz respeito à imaginação, na criação de um "mundo", e muito bem também no que toca à sensibilidade na fala de alguns personagens. Dou-lhe os meus parabéns! 

Não sei como acontece contigo, mas eu não conheci, nem conheço muitas pessoas dentro dessa idade (idade em que ele começou a escrever) a ler livros se quer, quanto mais a escrever. 

A escritora Alice Vieira por exemplo também me causou curiosidade. Primeiro porque os livros dela são recomendados para as crianças na escola. Se isso acontece é porque tem algo de bom, acho eu. E depois porque ouvi em qualquer lado que ela é autodidata, aprendeu a escrever sozinha. 

Essas são algumas das razões pelas quais eu leio e gosto de ler. 

Já deve ter dado para perceber que realmente os livros mexem comigo. Pois é. 

Bem... por hoje é tudo. ;)

Diz-me o que achas de tudo isto. 

Concordas? Não? 

 

Conversamos? :)

Também lês? Não gostas de ler?